Não Desista! A Honesta Jornada de Josh para Construir sua Integridade Sexual!

Esta é a história de Josh, um jovem destemido que entende que ter integridade não significa ser perfeito.


Olá pessoal! Esta é a história da minha luta contra a pornografia, e é uma história difícil para mim compartilhar. Meu problema com a pornografia não começou exatamente com a própria pornografia. Esta história é para mostrar que a luta do pecado sexual é um problema que não começa apenas na pré-adolescência até a idade adulta, mas também afeta as crianças pequenas.

Eu tinha cerca de 5 anos, cresci muito perto de outra criança da igreja. Quando éramos crianças, brincávamos muito e sempre que terminávamos  as brincadeiras, nos beijávamos . Quando criança, eu não via nada de errado naquilo, e ainda me choca que isso era algo que nós gostávamos  de fazer desde que éramos apenas crianças. Quero dizer, geralmente devemos pensar que as garotas eram nojentas nessa idade, não é? Esse hábito continuou até os 8 ou 10 anos de idade. Nossos pais nos educaram sobre o Princípio Divino desde a infância, então chegamos a um ponto em que percebemos que isso era algo que não deveríamos estar fazendo.

Depois de parar as sessões de beijos com meu amigo de infância, algo veio e tomou esse lugar. Quando eu tinha 10 anos, eu estava na casa do meu melhor amigo e ele estava me dizendo como encontrou algumas revistas realmente nojentas no quarto de seu pai, então ele as rasgou e jogou atrás da TV. Eu estava curioso sobre o que ele havia encontrado, então quando ele saiu da sala, olhei para o que ele rasgou e encontrei uma revista pornô. Foi a primeira vez que percebi o que era pornografia e isso criou um grande demônio que começou a governar minha vida.

Isso começou com assistir vídeos no YouTube, onde eu procurava cada vez mais conteúdo sexual. O problema aumentou muito quando minha mãe foi para a Itália e eu tinha muito mais tempo para assistir mais coisas no YouTube toda vez que estava em casa sozinho. Isto foi o mais longe que eu fui enquanto vivia nos Estados Unidos, pois nosso computador estava sempre na sala de estar. Quando me mudei para o Canadá, havia muito estresse em nossas vidas no primeiro ano em que estivemos aqui. Isso me impactou tanto no nível mental quanto físico. Também comprei um laptop quando nos mudamos para o Canadá. Eu tinha 12 anos e agora tinha um computador particular que ninguém mais poderia tocar. Comecei a assistir pornô muitas vezes mais. Isso foi ficando cada vez mais profundo e pior à medida que o tempo passava, e eu queria mais e mais. Em algum momento, descobri a masturbação assistindo pornô e as coisas pioraram muito. Comecei a assistir pornô várias vezes ao dia e a me masturbar na maioria das vezes em que assistia. Sempre soube que era um péssimo hábito, mas cheguei ao ponto em que o aceitei em minha vida porque não conseguia enxergar nenhuma maneira de sair dele. Eu não achava que havia uma saída e pensei que era a única pessoa que tinha esse tipo de problema. As coisas que aconteceram na minha infância me fizeram acreditar que ninguém poderia ser tão ruim quanto eu. Mas, finalmente, houve um ponto de virada que mudou minha vida.

Quando eu tinha 15 anos, eu deveria ter ido a um evento em uma igreja cristã local, mas eu estava causando uma grande confusão porque eu não queria ir, o que me levou a ter uma grande briga com minha mãe. Quando chegamos em casa, eu não parava de chorar e, consequentemente, algo me fez confessar meu problema à minha mãe e meu pai. Na verdade, não foi um grande choque para minha mãe porque ela tinha a sensação de que eu estava escondendo algum tipo de problema apenas com base no meu comportamento. Isso foi bom, porque meus pais não me julgaram por ter esse problema, mas tentaram me ajudar a resolvê-lo. Desde então, tenho lutado e continuado com esse vício. Eu passava períodos de alguns meses sem ver pornografia e depois passava por períodos em que assistia pornografia todos os dias por algumas semanas. Essa batalha ainda continua até agora e, aos 20 anos, ainda luto todos os dias para tentar me livrar desse problema. O seminário Top Gun em 2017 realmente me ajudou na minha busca para superar esse vício, pois eles passaram alguns dias conversando sobre esse problema e nos ajudando a entender que não estamos sozinhos. Naquele seminário, finalmente pude contar à minha irmã e aos meus amigos sobre minha luta. Tentei criar um grupo de apoio à minha volta e posso dizer que isso definitivamente me ajudou a acalmar muito o meu problema, mas ainda é extremamente presente na minha vida.

Agora eu estou tomando conta de um grupo de apoio através do High Noon, e realmente estou tentando dar o maior suporte possível  ao meu grupo em todos os desafios que eles venham a ter. Eu posso ser para eles aquela figura que eu sempre precisei e isso é algo muito inspirador de se fazer. Isso me levou a fazer um pequeno seminário, nele eu falei sobre os efeitos e consequências da pornografia, essa foi a  primeira vez que falei em público sobre esse problema.

Eu sei que esse problema causou muita dor na minha vida, mas eu também sei que quanto mais eu me mantenho lutando contra isso, mais chances existirão para que eu escape desse vício. E agora o meu foco é todo para esse grupo, creio com todo o meu coração que posso cortar pela raiz esse problema dentro dos próximos meses ao mesmo tempo que avançamos com esse curso. Eu quero superar isso, para mostrar aos demais que não importa quão difíceis sejam as circunstâncias, ou o que ocasionou esse problema na vidas deles, sempre haverá uma forma de se sobressair delas.

Tenho que dizer muito obrigado a todos que estão aqui tentando superar suas lutas da mesma forma que eu estou. É muito inspirador ouvir as histórias de outras pessoas sobre suas batalhas para vencer e manter sua pureza. Isso é o que me faz seguir em frente com determinação de que não importa quantas recaídas eu tenha, eu não posso desistir! Essa pode ser uma jornada amarga de se enfrentar, mas juntos nós podemos vencer!

Related Articles

Responses